Nervo ciático provoca dor que desce até o pé

O quadro, muitas vezes, é desencadeado por uma hérnia de disco e o tratamento para a inflamação é o chamado conservador, o corpo resolve o problema por si só.

O nervo ciático é o maior do corpo humano. Responsável pelos sentidos e pelos movimentos das pernas, começa na região lombar, é composto por raízes nervosas que saem da coluna vertebral, juntam-se e passam pela pelve, pela coxa, pela panturrilha, até terminar no tornozelo, ainda que suas ramificações cheguem até a sola dos pés.
Pelo tamanho do nervo, é possível ter uma ideia da dor que ele pode desencadear.

O principal problema relacionado ao nervo ciático é a sua inflamação. Ela pode acontecer por uma diversidade de fatores pouco relacionados aos membros inferiores. “A causa mais comum de dor relacionada ao ciático é uma inflamação secundária decorrente de uma compressão em qualquer nível de seu trajeto.
Na maioria das vezes, essa compressão é resultado de uma hérnia de disco na região lombar”, diz o reumatologista Cleandro Pires.
Mas a hérnia não é a única razão – outros responsáveis podem ser tumores, contraturas musculares, bicos de papagaio, quedas ou acidentes ou causas mais raras, como doenças autoimunes, que acabam agredindo o próprio nervo.

Quando o disco sai do lugar, ocorre uma inflamação acompanhada de inchaço, que, por sua vez, comprime as raízes nervosas que compõem o ciático. O sintoma principal é a dor.
O diagnóstico de problema no ciático não é difícil, uma vez que a dor passa no trajeto do nervo, e a maioria dos casos decorre da hérnia de disco, mas o complicado é definir o que está causando a compressão se a hérnia for descartada.
“É feito um exame clínico e, para confirmar, uma radiografia da coluna.
Se for insuficiente, uma ressonância magnética mostrará a origem da inflamação”, explica o ortopedista João Vicente Teodoro.

O tratamento para a inflamação é o chamado conservador – o corpo resolve o problema por si só. “Se a inflamação não estiver aliada a uma infecção, o organismo se encarrega de saná-la”, diz Cleandro.
O que os médicos podem fazer durante a fase aguda é administrar anti-inflamatórios e analgésicos para ajudar a lidar com a dor, que, em alguns casos, pode obrigar o paciente a deixar as atividades diárias.
“Fisioterapia e RPG ajudam na recuperação, uma vez que melhoram a postura e alongam os músculos.
Acupuntura também pode contribuir”, afirma João Vicente.
O repouso auxilia a melhora, já que alivia a pressão intradiscal, mas, em geral, não é recomendado por mais que cinco ou seis dias.
Tempo demais no leito pode causar problemas adicionais músculo esqueléticos.

Veja também:   Febre: o que fazer com seu filho antes de ir para o hospital?

Os vilões do nervo ciático

Excesso de peso, falta de exercício físico e o hábito de permanecer muitas horas sentado de forma incorreta prejudicam o alinhamento adequado da coluna vertebral e podem causar dores que se irradiam da região lombar, passando para a região glútea, posterior da coxa, e chegando aos membros inferiores.
“A coluna se estabiliza com ajuda da musculatura paravertebral e abdominal.
Quando há fraqueza nessa musculatura, a estabilização fica prejudicada, podendo sobrecarregar os discos entre as vértebras.
A obesidade e o sedentarismo podem piorar o quadro”, afirma o Dr.
Mário Ferretti Filho, ortopedista e gerente médico do Programa de Ortopedia e Traumatologia do Einstein.
 “O ciático é o maior nervo que temos no corpo humano, é a junção de todas as raízes nervosas do plexo lombar.
A dor ciática pode ser causada pela inflamação desse nervo ou por compressão de alguma raiz nervosa do plexo lombar, que pode ser causada por diversas condições”, explica Dr.
Marcelo Wajchenberg, ortopedista do Einstein.

Essa dor pode começar como um formigamento leve e aumentar de intensidade progressivamente ou aparecer de forma abrupta, como agulhadas. Tende a piorar ao se tentar esticar os membros inferiores. Essa sensação pode aparecer em ambas as pernas, embora seja mais frequente o acometimento de apenas um dos lados.
“Na base da coluna, os nervos se dividem para a esquerda e direita e alcançam os membros inferiores.
Quando um lado dói, pode-se dizer que há compressão de apenas um dos lados”, esclarece Dr.
Marcelo.

Os especialistas ressaltam ainda que a dor no ciático por si só não é uma doença, mas o sintoma de outros problemas, sendo o principal deles a hérnia de disco. Nesse caso, a dor pode ter início súbito e levar à limitação funcional, ou seja, reduzir a capacidade de movimentação da pessoa, principalmente na hora de andar.
“Determinadas doenças da bacia e alterações anatômicas na origem das raízes nervosas também podem causar processos inflamatórios do nervo e consequentes dores”, afirma Dr.
Marcelo.

Veja também:   Otosclerose - O que é, Sintomas e Tratamentos

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico é feito principalmente por meio do relato do paciente e pelo exame físico adequado. Dessa forma é possível delimitar o trajeto da dor e perceber qual nervo está sendo machucado. “Identificar corretamente a causa é muito importante na definição do tratamento, que deve ser específico e personalizado”, afirmam os ortopedistas.

O exame físico para avaliação da dor ciática se chama manobra de Lasègue: a pessoa é colocada deitada e uma das pernas é elevada, mantendo-a estendida. Além disso, é importante realizar um exame neurológico de sensibilidade e motricidade a fim de avaliar a extensão do acometimento neural.
O médico pode pedir também uma ressonância magnética, que tem sensibilidade e especificidade bastante alta, revelando as possíveis compressões do nervo.
Neste caso, além da coluna, também é possível verificar a bacia a fim de identificar possíveis alterações que levem à dor.

O tratamento mais comum é conservador e varia de acordo com a causa, os sintomas apresentados e a intensidade da dor. O repouso relativo é geralmente indicado. “A pessoa pode se movimentar, ir trabalhar, mas deve evitar carregar peso, fazer muito esforço ou ficar muito tempo sentado”, indica Dr. Mario.
Dependendo do caso, o médico pode receitar analgésicos e anti-inflamatórios, além de sessões de fisioterapia.
Orientar o paciente com relação à postura também é parte essencial do tratamento e ajudará na prevenção de novas crises.
A acupuntura pode ser uma aliada no alívio das dores, conforme já comprovado em pesquisas científicas.

Segundo os especialistas, com o procedimento adequado, a dor tende a melhorar em 15 dias. “É importante procurar um atendimento médico e nunca se automedicar. Muitas pessoas evitam este atendimento por acreditar que a dor vai passar, vai melhorar. Mas ninguém deve esperar a dor piorar para procurar um médico.
Assim que tiver um sintoma, procure o atendimento apropriado”, ressalta o Dr.
Marcelo.

Se não tratada corretamente, essa condição pode evoluir, tornar-se incapacitante, e levar a distúrbios neurológicos como perda da sensibilidade e da função motora. Caso o tratamento clínico não seja suficiente e haja compressão importante dos nervos, com comprometimento neurológico, é possível optar pela cirurgia.
No entanto, os médicos ressaltam que essa medida é indicada para apenas 10% dos casos, já que a grande maioria responde bem ao tratamento convencional.

Veja também:   Infecções bacterianas graves aumentam o risco de perda irreversível da audição

Prevenção

Prevenir a dor ciática é possível com medidas simples, como praticar exercícios físicos regularmente – a Organização Mundial de Saúde indica 30 minutos diários de atividades -, controlar do peso, alongar-se e fortalecer a musculatura da região lombar e da região posterior da coxa.
Além disso, corrigir a postura e evitar ficar muito tempo sentado na mesma posição pode contribuir positivamente para a saúde da coluna vertebral, evitando dores.

Buscando ajuda médica

Entre em contato com o seu médico imediatamente se apresentar:

  • Febre inexplicável com dor nas costas
  • Dor nas costas depois de um golpe grave ou uma queda
  • Vermelhidão ou inchaço nas costas ou na coluna
  • Dor que desce pelas pernas até a parte inferior do joelho
  • Fraqueza ou dormência nas nádegas, nas coxas ou na pélvis
  • Ardência ao urinar ou sangue na urina
  • Dor que piora quando você deita ou que acorda você durante a noite
  • Dor severa que não deixa você ficar em uma posição confortável
  • Perda de controle da urina ou das fezes (incontinência)

.

Também consulte um médico se:

  • Estiver perdendo peso não intencionalmente
  • Usar esteroides ou drogas intravenosas
  • Tiver apresentado dor nas costas antes, mas tiver um episódio diferente e pior
  • Esse episódio de dor nas costas durar mais do que 4 semanas

Recomendações

    • Não encontre desculpas para suspender as sessões de fisioterapia, tão logo a crise dolorosa tenha aliviado;
    • Peça orientação de um especialista para praticar exercícios físicos que ajudem a fortalecer a musculatura de todo o corpo;
    • Procure manter a postura correta, especialmente quando houver necessidade de permanecer sentado ou em pé durante muito tempo;
    • Flexione os joelhos sempre que for erguer um peso do chão;
    • Evite os sapatos com saltos excessivamente altos;
    • Não faça movimentos bruscos com a coluna vertebral que possam favorecer o pinçamento dos nervos;
    • Prefira deitar de costas com um travesseiro debaixo dos joelhos ou de lado, com um travesseiro entre as pernas.

.

Artigos Relacionados