Nictalopia: Saiba mais sobre a cegueira noturna

É um distúrbio que na medicina é conhecido por nictalopia. Popularmente é chamada de cegueira noturna. Afeta a visão, particularmente a noite ou em uma área com pouca ou nenhuma luz.
 Causada por doenças congênitas, distrofias da retina ou deficiência nutricional, essa doença dos olhos faz com que a pessoa tenha dificuldade para enxergar em locais com pouca luminosidade.

Cegueira noturna – ou nictalopia, de acordo com o termo técnico, é a dificuldade de enxergar em locais com luminosidade reduzida.
Segundo Sérgio Kniggendorf, oftalmologista especializado em retina do Hospital Oftalmológico de Brasília (HOB), o problema é causado por uma função inadequada dos bastonetes, células responsáveis pela visão em ambientes escuros.
“Pode ser causado por doenças congênitas, distrofias da retina e deficiência nutricional”, completa.
No caso das doenças congênitas, o médico explica que a história familiar e genética dos pacientes está envolvida.

A cegueira noturna não dificulta apenas enxergar durante a noite ou em lugares mais escuros. A visão de pacientes com nictalopia também demora mais para se acostumar ao passar de locais bem iluminados para a penumbra. A sensação de estar vendo o mundo por um binóculo, com uma visão “tubular”, também é comum.
Embora o sintoma não incomode tanto assim, é importante investigar o motivo do problema.
Algumas doenças que têm a nictalopia como sintoma, como a retinose pigmentar, podem evoluir para catarata, edema macular, alterações de campo visual e piora da visão central nos casos de doença agressiva, segundo Kniggendorf.
“A deficiência de vitamina A pode levar também a um olho seco severo, podendo causar úlcera de córnea.

Segundo Rafael Eidi Yamamoto, oftalmologista do Visão Institutos Oftalmológicos, a cegueira noturna está mais para sintoma do que para doença. Por isso, reforça: é imprescindível procurar um especialista para saber o que está acontecendo. “O diagnóstico é importante porque muitas distrofias têm tratamento.
Uma catarata que evolui, por exemplo, pode levar à cegueira completa”.
Yamamoto conta que é comum pacientes chegarem ao consultório reclamando de visão turva ao entardecer.
Porém, ele explica que, no caso de míopes ou astigmáticos, o sintoma é normal e não necessariamente indica algo mais sério.
“O problema, na verdade, não é na retina, porque problemas retinianos são fixos, ocorrem independentemente da hora do dia”, justifica.
O médico explica que a miopia e o astigmatismo causam a cegueira noturna porque à noite as pupilas se dilatam.
“Isso faz com que as aberrações da córnea fiquem mais visíveis.

Veja também:   Acidente vascular cerebral (AVC): um completo desconhecido da população

Nictalopia: Saiba mais sobre a cegueira noturna

Além de ter dificuldade de enxergar à noite, cuja consequência mais presente é a limitação em conduzir veículos, o portador do distúrbio sente dificuldade em enxergar quando se desloca de áreas bem iluminadas para locais com menos iluminação, e vice-versa. A causa implícita da cegueira noturna é, prioritariamente, um problema de retina.
Isto é porque características da retina ajudam a enxergar em zonas com iluminação deficiente.
Além de diminuir o campo de visão, a doença provoca a chamada visão “tubular”, que dá a sensação de se enxergar por um binóculo.
 Em uma pessoa mais jovem, a cegueira noturna, muitas vezes, pode ser o primeiro sinal de uma doença conhecida por retinite pigmentosa, cuja causa tem ligação genética.
 Nas pessoas com mais de 50 anos, a causa mais comum da Nictalopia é a incidência de catarata, que deixa a visão com áreas opacas ou nubladas, prejudicando a visualização.

Uma pessoa com miopia também pode sofrer com a cegueira noturna devido à dificuldade de focalização. Os objetos parecem distantes e as imagens borradas. Como consequência a pessoa sente dificuldade em se adaptar à escuridão.
 É importante passar por um exame ocular completo para determinar a causa do distúrbio e a indicar a melhor forma de tratamento.
Em caso de catarata, por exemplo, é indicada sua remoção.
Para desconfortos mais leves, o uso de óculos pode ser o suficiente.

Reforçando: um oftalmologista deve ser procurado assim que o portador perceber que os sintomas da cegueira noturna persistem ou afetam significativamente sua vida. É importante tomar medidas de segurança para evitar acidentes em áreas de pouca luz.

Vitamina A: Onde encontrar?

A deficiência de Vitamina A tem repercussões que afetam as estruturas epiteliais de diferentes órgãos, sendo os olhos os mais atingidos. A Vitamina A é essencial ao crescimento e desenvolvimento do ser humano.
Atua também na manutenção da visão, no funcionamento adequado do sistema imunológico (defesa do organismo contra doenças, em especial as infecciosas), mantém saudáveis as mucosas (cobertura interna do corpo que recobre alguns órgãos como nariz, garganta, boca, olhos, estômago) que também atuam como barreiras de proteção contra infecções.
Estudos mais recentes vêm mostrando que a Vitamina A age como antioxidante (combate os radicais livres que aceleram o envelhecimento e estão associados a algumas doenças).
Porém, recomenda-se cautela no uso de vitamina A, uma vez que, em excesso, ela também é prejudicial ao organismo.

Veja também:   Transplante de medula torna-se mais comum na terceira idade

Principais fontes

A vitamina A pré-formada (retinol) (“pronta para ser usada pelo organismo”) é encontrada em alimentos de origem animal: vísceras (principalmente fígado), gemas de ovos e leite integral e seus derivados (manteiga e queijo).
Os vegetais são fontes de vitamina A sob a forma de carotenoides (precursores de vitamina) os quais, no organismo, se converterão em vitamina A.
Em geral, frutas e legumes amarelos e alaranjados e vegetais verde-escuros são ricos em carotenoides: manga, mamão, cajá, caju maduro, goiaba vermelha, abóbora/jerimum, cenoura, acelga, espinafre, chicória, couve, salsa, pêssego seco, etc.
Alguns frutos de palmeira e seus óleos também são muito ricos em vitamina A: dendê, buriti, pequi, pupunha, tucumã.

Sintomas da falta de vitamina A

– Um dos epitélios severamente afetados é o do revestimento ocular, levando à xeroftalmia (nome dado aos diversos sinais e sintomas oculares da hipovitaminose A). A forma clínica mais precoce da xeroftalmia é a cegueira noturna (nictalopia) onde a criança não consegue boa adaptação visual em ambientes pouco iluminados.

– Nos estágios mais avançados a córnea também está afetada constituindo a xerose corneal, caracterizada pela perda do brilho, assumindo aspecto granular, e ulceração da córnea.

– A ulceração progressiva pode levar à necrose e destruição do globo ocular provocando a cegueira irreversível, o que é chamado de ceratomalácia.

– Infecções frequentes podem indicar carência, pois a falta de Vitamina A reduz a capacidade do organismo de se defender das doenças.

Funções

  • Antioxidante
  • Aumenta a resistência do organismo contra infecções
  • Importante no crescimento e vitalidade
  • Fortalece os dentes e contribui na conservação do esmalte
  • Fundamental para a saúde dos olhos (evita a cegueira noturna), cabelos, pele e ossos.
  • Importante no metabolismo das gorduras
  • Fundamental no funcionamento da glândula tireoide
  • Contribui para a saúde do fígado, supra-renais e órgãos reprodutores
  • Ajuda o corpo a se defender da poluição ambiental
  • Promove a calcificação dos ossos fraturados e a cicatrização da pele ou de tecidos danificados.
  • Mantém saudáveis tecidos e órgãos
  • Para que o organismo assimile a vitamina C, é necessário vitamina A
Veja também:   Refluxo: em adultos e bebês. O que fazer?

Causas da carência de Vitamina A:

– Falta de amamentação ou desmame precoce: o leite materno é rico em vitamina A e é o alimento ideal para crianças até seis meses de idade.

– Consumo insuficiente de alimentos ricos em vitamina A.

– Consumo insuficiente de alimentos que contêm gordura: o organismo humano necessita de uma quantidade de gordura proveniente dos alimentos para manter diversas funções essenciais ao seu bom funcionamento. Uma delas é permitir a absorção de algumas vitaminas, chamadas lipossolúveis (Vitaminas A, D, E e K).

– Infecções frequentes: as infecções que acometem as crianças levam a uma diminuição do apetite. A criança passa a ingerir menos alimentos podendo surgir uma deficiência de Vitamina A.
Além disso, a infecção faz com que as necessidades orgânicas de Vitamina A sejam mais altas, levando a redução dos estoques no organismo e desencadeando ou agravando o estado nutricional.

Dica

Para garantir uma boa ingestão da vitamina A, tome diariamente 1 copo de sumo de cenoura centrifugado. Este sumo vai contribuir com todo o aparelho digestivo e especialmente com o fígado, depurando-o.

Observe que a pele vai ficar muito mais bonita. E se puder, um pouco de sol de manhã bem cedo, perfeito!

Como esta vitamina armazena-se no organismo, sugere-se que seja feita uma pausa de tempos em tempos. Principalmente se as palmas das mãos e solas dos pés apresentarem-se amareladas, o que é sinal de excesso.

Artigos Relacionados