Saiba o que é escoliose, Sintomas e Tratamento

Deve ser diagnosticada com antecedência, pois sua evolução está relacionada com o crescimento do paciente: quanto mais cedo ela aparece, mais tempo tem para piorar.

 – O que é?

A escoliose é um desvio anormal da coluna vertebral para a direita ou para a esquerda. Por conta disso, o ombro direito normalmente fica mais alto do que o esquerdo. A deformidade mais comum é a escoliose idiopática ou primária, cuja origem é desconhecida. Sabe-se, contudo, que o problema afeta mais as meninas e que pode surgir logo na infância.
Outros tipos de escoliose são a congênita (consequência de uma má formação da coluna) e a paralítica (que surge a partir de doenças como paralisia cerebral e mielomeningocele, além de distrofias musculares).

 – Sintomas

Na maioria dos casos, a escoliose primária é assintomática. Contudo, dores com intensidade que varia de leve a intensa, além de danos aos órgãos internos, podem surgir em alguns casos. O principal sintoma está na aparência do indivíduo: quando visto de frente, ele parece torto devido à diferença de altura entre os ombros.
Há também a possibilidade de a cintura tornar-se desalinhada, bem como de as costas e o tórax ficarem arqueados (gibosidade).

  – Diagnóstico

O problema é detectado em um exame físico de rotina. Dados como a idade em que o problema surgiu, a presença de dor e sinais neurológicos ajudam o médico a identificar o tipo da escoliose. Já os exames de ressonâncianuclear magnética e tomografia escoliose.
Já os exames de ressonância nuclear magnética e tomografia computadorizada verificam a possibilidade de acometimento neurológico, enquanto que o raio-x fornece a medida da deformidade e o prognóstico da evolução dela.

  – Prevenção

A questão gera debates na comunidade médica: alguns especialistas dizem que o distúrbio não pode ser evitado. Outros defendem a prática moderada de natação e exercícios de alongamento como forma de prevenção, além de recomendar que os indivíduos em crescimento não carreguem mochilas pesadas.

Veja também:   Mentoplastia - Cirurgia no queixo

  – Tratamento

Varia conforme o tipo da escoliose, o grau dela e a idade do paciente. Aos portadores de escoliose primária com deformidade abaixo de 20 graus, recomenda-se exercícios, a prática da natação e o acompanhamento com um especialista. Jovens em crescimento com curvas entre 20 a 45 graus devem utilizar coletes que mantêm a coluna vertebral correta.
Acima dos 45 graus, estes aparelhos não controlam mais as curvas.
Nesses casos, a intervenção cirúrgica pode ser necessária.
As escolioses congênitas e paralíticas têm maiores variações e obedecem parâmetros diferentes para o uso de colete e cirurgia.

O raio-X do desvio

A escoliose faz com que a coluna vertebral fique deformada ao ponto de se assemelhar às letras “C” ou “S”. O problema pode ser resultado de um defeito de nascimento ou desenvolver-se com o passar dos anos, especialmente na adolescência.
Pode aparecer em qualquer idade, mas é durante os estirões que temos as maiores possibilidades de que ela apareça e por isso devemos redobrar nossa atenção em relação a ela nessa fase.
É fundamental que ela seja diagnosticada o mais breve possível.

Podemos falar em boas chances de correção para as chamadas posturas escolióticas (causadoras de escoliose), como por exemplo sentar-se em uma cadeira apoiando-se no braço esquerdo formando um arco em “C” à direita que se corrige quando retorna-se ao centro.
Para as escolioses que evoluem pela idade ou por alguma patologia neurológica associada, tudo dependerá da “agressividade” da mesma.
Ou seja, com qual angulação ela foi descoberta, quanto você ainda tem para crescer e uma série de outros fatores que só um especialista poderá dizer.

Atualmente, mesmo com toda a melhora dos tratamentos fisioterápicos e ortopédicos, o mais sensato que podemos dizer é que devemos tentar “bloquear” a evolução da escoliose. Na idade adulta, a escoliose pode tornar-se dolorosa, mesmo que as chances de piora da angulação sejam diminuídas.
A fisioterapia possui vários métodos específicos para tratar a escoliose:

  • RPG,
  • Cinesioterapia:  terapia pelo movimento
  • Osteopatia: ciência terapêutica baseada na biomecânica de corpo
  • Quiropraxia: tratamento de problemas do sistema músculo-esquelético
  • Reprogramação mioarticular: reprogramação terapêutica músculo-articular
  • Pilates, entre outros.
Veja também:   Reumatismo - vai além das dores nas articulações

.

No caso de uma escoliose evolutiva, diagnosticada precocemente, são três os recursos existentes: fisioterapia, colete e cirurgia. Evidentemente, esses recursos estão dispostos em ordem de gravidade. Só se opera uma criança quando todos os outros tipos de tratamento falham e a escoliose continua a evoluir.
O Método Pilates ajuda a melhorar as posturas escolióticas, uma vez que seu princípio é justamente o alinhamento postural.

No adulto, devido a sua estruturação madura da coluna vertebral são necessários vários cuidados, não só a fisioterapia, mas também disciplina e a prática regular de exercícios e uma boa postura para se conseguir um sucesso no tratamento.

Artigos Relacionados