Terçol, o que é ?

As pálpebras são estruturas que possuem a função de proteção dos olhos, ajudando a distribuir a umidade, através das lágrimas, assim como também desempenham uma barreira física contra lesões. Podem ocorrer diversos tipos de patologias palpebrais que podem prejudicar as estruturas oculares.
Uma afecção que acomete a região palpebral e é muito comum, é o terçol.

O que é?

O terçol, ou herdoéolo é uma infecção/inflamação da glândula zeis e mol (glândulas das pálpebras superiores e inferiores perto da região dos cílios), principalmente. Essas glândulas – incluindo também a glândula de meibomios – são responsáveis pela produção de gordura, que é a camada externa da lágrima.
Ela serve para diminuir a sua evaporação.
Mesmo com o incômodo que esta doença causa, ela não é contagiosa.
E, apesar de ser diferente da conjuntivite, pacientes com blefarite (inflamação na borda palpebral) são mais suscetíveis a ambas.

Sintomas

A doença se manisfesta com o inchaço quente e dolorido na região da pálpebra, além dos outros sintomas, observa-se uma vermelhidão no local. Diferentemente das alergias na região dos olhos, nesse caso o paciente não apresenta coceira.

O terçol se caracteriza por um pequeno nódulo avermelhado nas pálpebras que pode parecer com uma pequena espinha, associado a um pequeno inchaço e dor local. Pode também haver algum grau de prurido, secreção, sensação de corpo estranho e aumento da sensibilidade dos olhos à luz.

O terçol não é uma doença contagiosa, portanto, não há necessidade de isolamento ou do uso de óculos escuros, como na conjuntivite, por exemplo.

Diagnóstico

O terçol é diagnosticado pela observação dos sintomas clínicos do paciente. A avaliação na consulta médica é bastante importante, poi apenas a partir dela o médico consegue verificar o possível aparecimento de doenças mais graves, principalmente no caso de os sintomas se repetirem por diversas vezes.

Veja também:   Quais são os males que os ácaros trazem à saúde humana?

Prevenção

O mais eficiente para evitar o terçol, principalmente em pessoas predispostas, é a higiene com xampu de PH neutro. Outra boa forma de diminuir os riscos, apesar de não ter uma relação direta, é não usar artigos de maquiagem de terceiros. A flora conjuntival de cada um é diferente, e a ausência de contato diminui as chances de irritação local.
Para os que tem algum tipo de alergia a esses produtos, os cuidados devem ser redobrados: mesmo os do tipo antialérgico podem causar reações.

Tratamento

Recomendam-se compressa de água morna no mínimo quatro vezes ao dia em casos simples. Em outros, é necessária também a aplicação tópica de uma pomada com antibióticos para facilitar a eliminação. Os sintomas costumam desaparecer dentro de cinco a sete dias.
Quando isso não ocorre, há grande chance de que ele se transforme em um calásio – inflamação de uma das glândulas (a meibomius) que produzem material sebáceo – podendo ser necessária uma injeção de corticoide ou até mesmo uma operação para retirá-lo.