Unhas: preocupe-se mais com elas

Muitas são as razões que levam os pacientes aos consultórios dermatológicos, mas raros são aqueles que se preocupam com as unhas.
Essa foi uma das conclusões do Estudo Observacional da Epidemiologia da Onicomicose nos Consultórios Dermatológicos, coordenado por Nilton Di Chiacchio, chefe da Clínica de Dermatologia do Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo.
O trabalho inédito no país teve como um dos objetivos dimensionar o conhecimento do brasileiro sobre um problema comum, mas que nem sempre merece a devida atenção: a onicomicose, popularmente conhecida como micose de unha.

A pesquisa envolveu mais de 7.800 pacientes de 40 clínicas dermatológicas do Brasil e mostrou que 28% dos pacientes que participaram da investigação apresentavam a infecção causada por fungos, além dos 53% que tinham histórico da doença. “Muita gente desconhece que tem o problema, pois é assintomático.
As mulheres acabam disfarçando com esmaltes; os homens com meias e sapatos fechados.
Assim, a unha com sinais da doença acaba sendo deixada de lado.
O problema é que a infecção não se cura sozinha e pode comprometer ainda mais a unha e até passar para a pele”, alerta a dermatologista Camila Cazerta, uma das investigadoras do trabalho.

O que é?

A onicomicose é uma infecção que atinge as unhas, causada por fungos que se “alimentam” de queratina, substância que forma as unhas. As fontes de infecção podem ser o solo, animais, outras pessoas ou alicates e tesouras contaminados.
 As unhas mais comumente afetadas são as dos pés, pois o ambiente úmido, escuro e aquecido, encontrado dentro dos sapatos e tênis, favorece o crescimento dos fungos.
Além disso, o crescimento mais lento das unhas dos pés dificulta a eliminação da micose.

Quais são as causas das onicomicoses?

As onicomicoses são causadas por fungos contraídos do solo, de animais ou de outras pessoas, por meio de instrumentos contaminados de cortar e embelezar as unhas, como, por exemplo, alicates e tesouras. As pessoas com imunodeficiências, diabetes mellitus, psoríase, etc. estão mais predispostas às micoses de unhas que as outras.

Manifestações clínicas

Existem várias formas de manifestação das onicomicoses. Veja abaixo alguns dos tipos mais frequentes:

Descolamento da borda livre: a unha descola do seu leito, geralmente iniciando pelos cantos e fica ôca. Pode haver acúmulo de material sob a unha. É a forma mais frequente.

Espessamento: as unhas aumentam de espessura, ficando endurecidas e grossas. Esta forma, pode se acompanhar de dor e levar ao aspecto de “unha em telha” ou “unha de gavião”.

Veja também:   Soja: quando ela faz bem ou mal para a saúde

Leuconiquia: manchas brancas na superfície da unha.

Destruição e deformidades: a unha fica frágil, quebradiça e se despedaça nas porções anteriores, ficando deformada.

Paroníquia (unheiro): o contorno ungueal fica inflamado, dolorido, inchado e avermelhado e, por consequência, altera a formação da unha, que cresce ondulada e com alterações da superfície. Saiba mais sobre paroníquia.

Como evitar?

Hábitos higiênicos são importantes para se evitar as micoses. Previna-se seguindo as dicas abaixo:

  • Não ande descalço em pisos constantemente úmidos (lava pés, vestiários, saunas).
  • Observe a pele e o pêlo de seus animais de estimação (cães e gatos). Qualquer alteração como descamação ou falhas no pêlo procure o veterinário.
  • Evite mexer com a terra sem usar luvas.
  • Use somente o seu material de manicure.
  • Evite usar calçados fechados o máximo possível.
    Opte pelos mais largos e ventilados.
  • Evite meias de tecido sintético, prefira as de algodão.
  • Não remova toda a cutícula da unha.
    A cutícula é a proteção natural da unha para combater os fungos que causam a onicomicose
  • Seque muito bem os pés (entre os dedos)  e as unhas depois do banho.
  • Deixe o pé respirar.
    Quando tirar o calçado tire também as meias e use chinelo aberto.

Como o médico diagnostica as onicomicoses?

Num primeiro momento, o diagnóstico das micoses de unhas pode ser feito pela observação das lesões ungueais e, posteriormente, o tipo dela pode ser confirmado pelo exame direto do fungo, por meio de raspagem da unha e cultura deste raspado em meios de cultura apropriados. A biópsia pode demonstrar se o fungo é realmente invasivo ou apenas comensal.
O diagnóstico diferencial das onicomicoses deve ser feito com a psoríase, o líquen plano e a paquioníquia congênita (desordem genética da formação da queratina) e demais infecções ungueais.

Tratamento

Hoje em dia têm aparecido fármacos que tornam mais fácil e rápido um tratamento, em comparação ao que era muito difícil e demorado antigamente. Alguns autores antigos chegaram mesmo a considerar as onicomicoses como incuráveis. O tratamento das micoses de unha depende da extensão das mesmas.
Geralmente são utilizados medicamentos tópicos (de uso local), sob a forma de cremes, soluções ou esmaltes.
Somente nos casos mais sérios o tratamento por via oral é prescrita.
A melhora é demorada (pode levar de meses até um ano!) porque depende do crescimento e substituição da unha, o que acontece muito lentamente.
O tratamento deve ser mantido durante todo este tempo e a boa higiene das unhas é fundamental durante todo o processo.

Os medicamentos utilizados para o tratamento das micoses das unhas podem ser de uso local, sob a forma de cremes, soluções ou esmaltes anti-fúngicos. Casos mais avançados podem necessitar tratamento via oral, sob a forma de comprimidos.

Veja também:   Saiba o que é Chikungunya, seus sintomas e tratamentos

Os sinais de melhora demoram a aparecer, pois dependem do crescimento da unha, que é muito lento. As unhas dos pés podem levar cerca de 12 meses para se renovar totalmente e o tratamento deve ser mantido durante todo este tempo. A persistência é fundamental para se obter a cura.

O tipo de tratamento vai depender da extensão da micose e deve ser determinado por um médico dermatologista. Evite usar medicamentos indicados por outras pessoas, pois podem mascarar características importantes para o diagnóstico correto da sua micose, dificultando o tratamento.

As onicomicoses podem ser completamente curadas com medicamentos e recursos adequados. Se não tratadas, elas constituem uma porta de entrada para múltiplos micro-organismos que podem ocasionar infecções graves. Depois do tratamento, a unha continua a crescer normalmente dando lugar a uma nova unha saudável.

As dúvidas mais frequentes

Ouvi várias vezes que a micose de unha são tratadas e curadas unicamente por medicamentos via oral. Qual a eficácia desse produto usado diretamente nas unhas?

As micoses de unhas (onicomicoses) podem ser erradicadas por alguns protocolos de tratamento que incluem produtos de uso oral, produtos de uso tópicos (medicamentos antimicóticos para serem aplicados diretamente sobre as unhas) ou a combinação de ambos os tratamentos ao mesmo tempo.
 O que irá definir se o melhor protocolo de tratamento é tópico, oral ou ambos associados é a gravidade, ou seja, o estágio que se encontra essa micose de unha.

O produto Derma Nail Antimicótico, proporciona um tratamento tópico com excelentes resultados se forem seguidas corretamente as orientações de uso do produto.
 Vale lembrar que um tratamento de micose dura no mínimo 6 meses e que deve ser feito corretamente, mesmo quando já percebe-se a grande melhora da unha, e não deve ser interrompido antes desse prazo.

Gostaria de saber se manchas brancas e escamação das unhas podem ser micoses, porque já fui numa médica, fiz exames de raspagem de uma unha, e deu negativo, o que devo fazer então?

Existem manchas brancas que podem ser originárias de um quadro de micoses nas unhas, bem como também por falta de vitaminas e minerais. Como foi descartado o quadro de micose, temos o segundo caso ocasionando tais sintomas. Os esmaltes convencionais e a acetona prejudicam muito as unhas e podem causar os sintomas que você relata.
Procure utilizar esmaltes livres de substâncias tóxicas como tolueno, DBP e formaldeído.
 Com relação as manchas brancas que descamam, pode-se usar a Base Fortalecedora Derma Nail.
Você perceberá uma boa melhora.

Veja também:   Teste detecta o ebola em até 60 minutos

Tem uns 2 dias que retirei minha unha do dedo indicado do pé. Queria saber quantos dias demora para ela crescer e qual será a medida a ser tomada?

A unha só pode ser removida por um médico e devem ser seguidas as recomendações dele após tal procedimento. O tempo, em média, é de 6 meses a 1 ano para o crescimento total de uma nova unha.

Tenho micose de unha, porém a unha está muito feia, eu posso utilizar unha postiça no dedo da micose? E qual medicamento é o mais utilizado. Já usei tantos que não sei mais em qual usar.

Nem pensar em usar unhas postiças no seu caso, pois agravará e muito o problema. O que deve ser feito é um bom tratamento e isso requer disciplina e muita boa vontade, pois o tratamento é longo: mínimo de 6 meses e deve ser feito corretamente todos os dias. Use o Derma Nail Antimicótico.
 Aplique o produto 3x ao dia, nas unhas afetadas e somente antes da primeira aplicação do dia você deve lixar a unha previamente.
Após o lixamento limpe a unha com uma gaze ou papel e aplique o produto.
Descarte a lixa imediatamente, ela jamais poderá ser reutilizada (o produto acompanha 30 lixinhas descartáveis).

Nas outras 2 aplicações do dia não há a necessidade de lixar a unha previamente. Faça esse procedimento por 6 meses, e não deixe as unhas ou os dedos úmidos; sempre enxugue bem após banho e preferencialmente use sapatos abertos. O tratamento de onicomicose requer muita persistência e determinação

Comecei a sentir dor na unha do dedão do pé e agora ela está ficando roxa bem na raiz. Não bati o pé e nem uso sapados apertados. Será que minha unha pode cair? O que pode ser, e como tratar?

As unhas arroxeadas podem surgir decorrentes de vários motivos como: traumas, por um quadro cianótico (queda na concentração de oxigênio no sangue), micoses, tumores, problemas no coração, lúpus, eritematoso, uso de medicamentos para corrigir defeitos de coagulação (coagulantes) ou minociclinas.
 Como você pode ver, são muito amplas as possíveis causas, portanto não tem como eu dizer qual é o seu caso e o tratamento.
Há a necessidade de você procurar um dermatologista para avaliação.
Provavelmente o mesmo solicitará alguns exames para fechar o diagnóstico e assim lhe recomendar o tratamento.

Artigos Relacionados