Vitamina D – Tudo que precisa saber

Especialistas, porém, reforçam que os benefícios musculoesqueléticos são cientificamente comprovados. As vantagens da vitamina D para os ossos são inquestionáveis. No entanto, a ação dessa substância contra outras disfunções divide a comunidade médica.
Uma ampla revisão de evidências científicas feita pelo Instituto Internacional de Pesquisa em Prevenção em Lyon, na França, sugere que os níveis baixos do composto não são uma causa, mas sim uma consequência de problemas de saúde.
A conclusão da meta-análise liderada por Philippe Autier põe em xeque o valor de suplementos na proteção a doenças agudas e crônicas não esqueléticas, como câncer, eventos cardiovasculares, diabetes e mal de Parkinson.

Os resultados foram publicados na revista científica The Lancet Diabetes & Endocrinology, desafiando o conhecimento atual sobre o papel da vitamina D na prevenção de doenças não esqueléticas.
A substância ficou famosa no meio científico e entre pacientes quando houve a comprovação, há algumas décadas, da influência que exerce sobre a saúde óssea e a absorção do cálcio.
O achado abriu as portas para uma observação constante da ação da vitamina no organismo, possibilitando associações livres entre o alto nível do composto e a reduzida incidência de uma gama de doenças não necessariamente ligadas ao tecido ósseo.

Entre as centenas de trabalhos analisados pelo time de cientistas, 290 são do tipo observacional. Nesses, os benefícios da alta concentração de vitamina D apontados incluem redução do risco de eventos cardiovasculares (até 58%), de diabetes (até 38%) e de câncer do colorretal (até 34%).
Conclusões que não puderam ser confirmadas nos ensaios clínicos com a efetiva suplementação.
Ao reunir estudos que testam o efeito de prevenção em população com deficiência da substância, os pesquisadores se surpreenderam.
A grande maioria dos 172 ensaios clínicos que examinaram os efeitos da suplementação de vitamina D não confirmou o resultado dos primeiros trabalhos avaliados.

Na verdade, a meta-análise não conseguiu identificar qualquer efeito ao se elevar as concentrações da vitamina D com a suplementação para a incidência, a gravidade ou a evolução clínica dessas doenças.
“Se os benefícios mostrados por dados de estudos observacionais não são reproduzíveis em estudos randomizados – o método padrão ouro para a avaliação de uma relação causal entre a exposição e um resultado -, então, a ligação entre o nível de vitamina D e os distúrbios são provavelmente resultado de confusão fisiológica”, pressupõe o principal autor do artigo, Philippe Autier.

Fruto de inflamações

Autier levanta a hipótese de que os baixos índices do composto podem ser resultado de processos inflamatórios envolvidos na ocorrência e na progressão da doença. “Uma exceção seria leves ganhos na sobrevivência após a restauração dos deficits de vitamina D devido a mudanças de estilo de vida induzidas pelo envelhecimento e por problemas de saúde”.
Segundo Autier, cinco ensaios em andamento que envolvem milhares de pacientes com pelo menos 50 anos testam se a suplementação (de 40mg a 80 mg por dia) pode reduzir o risco de câncer, doenças cardiovasculares, diabetes, infecções, fraturas e o declínio das funções cognitivas.
“Os primeiros resultados não são esperados antes de 2017, mas esses estudos têm o potencial para testar as nossas hipóteses”, considera.

Para o médico nutrólogo da Associação Brasileira de Nutrologia Guilherme Giorelli, as pesquisas observacionais trouxeram duas questões: “Por ter vitamina D alta, essas pessoas teriam menos doenças? E, se a taxa de vitamina D for reposta nessas pessoas, as doenças seriam evitadas?”.
“As dúvidas ainda não existem, mas o mercado não aguardou (a solução delas).
Se pesquisarmos o mercado de vitamina D, somente nos Estados Unidos, ele saiu de US$ 50 milhões há 10 anos para US$ 800 milhões”, observa.
Giorelli acredita que esse aumento indica que muita pessoas estão utilizando a suplementação possivelmente sem controle e acompanhamento médico.
“Ter um nível muito acentuado da vitamina pode levar a problemas renais e no fígado”, alerta.

Veja também:   Solidão leva pessoas a usarem a internet de forma compulsiva

Vá pelo sol

Os pesquisadores, porém, chamam a atenção para o fato de que é preciso ficar bem claro que os benefícios da vitamina D no sistema musculoesquelético são comprovados. A substância tem uma ação direta no tecido ósseo, produzindo e estimulando uma série de sínteses protéicas e de transformações nos ossos.
Ela também aumenta a absorção intestinal do cálcio, levando a um maior aproveitamento do cálcio alimentar.
Isso quer dizer que os ossos ficam mais fortes em indivíduos com níveis normais.
Já quem tem deficiência do composto pode ser acometido por doenças graves na infância, como o raquitismo, e na fase adulta, a osteomalácia.

Para a endocrinologista Marise Lazaretti, membro da diretoria da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), o trabalho de Autier questiona vários estudos que foram feitos por associação. Ela argumenta que esses resultados revistos não necessariamente significam casualidade.
“O indivíduo doente provavelmente se expõe menos ao sol e, portanto, vai ter menos vitamina D.
Além disso, como se trata de uma vitamina solúvel em gordura, indivíduos obesos apresentam níveis sanguíneos mais baixos”, avalia.

Lazaretti observa que, ao analisar estudos que fizeram o processo inverso – dar a suplementação para diminuir a incidência de doenças -, a maioria não conseguiu comprovar o resultado esperado.
“No Brasil, estamos vivendo uma grande deficiência na população justamente porque a ideia de que o sol faz mal foi incorporada a nossa cultura sem que o risco da deficiência de vitamina D fosse alertado.
Tudo bem se a pessoa não quer tomar sol por medo do envelhecimento cutâneo ou do risco de câncer de pele, mas ela tem que saber que vai ser deficiente e que precisará de suplementação.

Para a endocrinologista, o composto pode ser visto como um indicador de boa saúde, já que a mortalidade em pessoas com níveis normais de vitamina D é menor, assim como a associação com diversas enfermidades.
“Não que ela seja necessariamente a causa dessas doenças, mas é um marcador, por significar sol, vida ao ar livre, talvez, atividade física e hábitos mais saudáveis.

Vitamina D pode amenizar sintomas de doenças como Parkinson e esclerose múltipla

Pesquisas recentes têm reforçado os benefícios neurológicos do composto conhecido por proteger os ossos. Um dos alertas feitos pelo neurologista Cícero Coimbra é que a única fonte fisiológica real de vitamina D é a exposição solar. Pacientes em Oregon (EUA) com mal de Par-kinson e níveis altos de vitamina D têm melhor cognição e humor.
Em Boston, pesquisadores da Escola de Saúde Pública de Harvard (EUA) concluíram que indivíduos diagnosticados com esclerose múltipla e taxas superiores da mesma substância apresentam uma progressão mais lenta da doença.
Na Áustria, voluntários com fibromialgia e que tinham deficiência do composto receberam suplementação e notaram uma diminuição acentuada dos sintomas.
Todos esses avanços foram divulgados em importante revistas científicas internacionais nos últimos 30 dias.
No Brasil, o neurologista Cícero Coimbra usa há mais de 10 anos uma superdosagem da vitamina D para tratar pacientes com esclerose múltipla e também relata benefícios.
Impressionantes resultados vindos de diversos laboratórios indicam que a substância lembrada por reforçar a saúde dos ossos também pode ser uma grande aliada de uma mente sã.

Veja também:   Avanço do Alzheimer é mais rápido nas mulheres

Nos estudos de Oregon e Harvard, os cientista analisaram os níveis de vitamina D no sangue dos voluntários e a função neuropsiquiátrica de cada um, sondagem que pode medir a progressão da doença e a gravidade dos sintomas.
No caso dos 286 pacientes com Parkinson, o estudo liderado por Amy Peterson mostrou que aqueles com os maiores níveis de vitamina D também tinham menor severidade de sintomas e depressão, além de uma melhor cognição.
Os dados foram ainda mais expressivos entre indivíduos sem sinais de demência, uma consequência comum da doença.
“O fato de a relação entre a concentração de vitamina D e o desempenho cognitivo parecer mais robusta no subconjunto não demente sugere que uma intervenção mais rápida, antes da demência se instalar, pode ser mais eficaz”, acredita Peterson.
A opinião é compartilhada por Alberto Ascherio, que conduziu a pesquisa de Harvard.
Ele e sua equipe analisaram amostras de sangue e resultados de ressonância magnética de 465 pacientes com esclerose múltipla durante cinco anos.
Concluíram que pequenos aumentos na concentração de vitamina D dentro dos primeiros 12 meses estão associados a um risco 57% menor de recaída e de novas lesões cerebrais.
Também foi percebida uma progressão anual mais lenta – o aumento do volume da lesão foi 25% menor.

O trabalho austríaco destaca-se por um diferencial: comprova a efetividade da suplementação do composto em indivíduos que apresentavam baixa taxa dele. Diferentemente, nas pesquisas anteriores, não foi possível estabelecer uma relação de causalidade.
Ou seja, não se pode dizer se a deficiência leva à progressão da doença ou se o paciente tem menos exposição solar – responsável por estimular a produção de vitamina D – e, por isso, apresenta a deficiência.
O time de cientistas liderado por Florian Wepner, do Departamento de Gestão da Dor Ortopédica da universidade austríaca, tratou 30 mulheres com fibromialgia e baixos níveis da substância.

Elas receberam a suplementação por 20 semanas. Seis meses após o procedimento ter sido interrompido, percebeu-se uma redução acentuada no nível de dor, principal sintoma da desordem. “Acreditamos que os dados apresentados no presente estudo são promissores.
A fibromialgia é um complexo de sintomas muito extensos que não podem ser explicados apenas pela deficiência de vitamina D.
No entanto, a suplementação pode ser considerada como um tratamento relativamente seguro e econômico.
Trata-se de uma alternativa extremamente rentável ou um complemento à terapia farmacológica cara, assim como terapias físicas, comportamentais e multimodais”, garante Wepner.

Hormônio

Para o neurologista Cícero Coimbra, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a eficácia da suplementação não é novidade. Segundo ele, o conhecimento sobre o composto sofreu uma revolução na última década e meia. Há cerca de 20 anos, imaginava-se que ele tinha como única função favorecer a absorção de cálcio no intestino.

A revolução a qual Coimbra se refere foi feita por novas pesquisas mostrando que não só as células intestinais, mas todas as células do corpo têm receptores de vitamina D e, portanto, respondem à ação do composto.
“Na realidade, a vitamina D é um hormônio essencial de tal forma para o organismo que não se conhece um só hormônio que tenha receptores em todas as células”, reforça.

Veja também:   AVC – acidente vascular cerebral: cada vez mais cedo… Como evitar?

O médico trata pacientes com esclerose múltipla com superdoses de vitamina D. O uso do composto justifica-se principalmente porque o sistema imunológico é uma das áreas mais dependentes da substância. A doença é autoimune, quando as células de defesa se voltam contra o próprio organismo levando a um processo de degeneração celular.
A reação imunológica presente nas doenças autoimunitárias leva o nome de TH17.
“A vitamina D seletivamente impede o desenvolvimento dessa reação imunológica TH17.
Isso quer dizer que, na presença dela, o sistema imunológico não agride o próprio organismo”, explica Coimbra.
O processo é seletivo e acontece sem que haja prejuízo das demais atividades das células no combate a infecções ou a invasões de qualquer micro-organismo estranho.

Crescimento neural

A extrema importância da vitamina D para as células imunológicas fica registrada na propriedade quase exclusiva que elas têm de captá-la inativa e ativá-la. Há vários locais do organismo que dependem das células renais para essa conversão. Outro grupo que conta com essa vantagem de ativação é o tecido nervoso.
Níveis adequados de vitamina ativada vão estimular células auxiliares dos neurônios chamadas astrócitos.
Essas, por sua vez, a partir do estímulo, produzirão proteínas que agem como fator de crescimento neural.
“A ocorrência de todas as doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e Par-kinson, é favorecida por níveis baixos de vitamina D”, garante Coimbra.
Ele acrescenta que uma grande ambição atual da neurociência é fazer com que esses fatores de crescimento sejam administrados com remédios.
Mas as terapias existentes não são capazes de atravessar a barreira hematoencefálica, que fica entre a circulação sanguínea e a massa cinzenta.
“A vitamina D passa essa barreira facilmente e chega ao tecido nervoso.
Então, esse grande impedimento no uso de medicamentos para essas doenças neurodegenerativas fica resolvido com o uso dela a doses adequadas”.

Exposição obrigatória ao sol

Um dos alertas feitos pelo neurologista Cícero Coimbra é que a única fonte fisiológica real de vitamina D é a exposição solar. Segundo ele, indivíduos que não se expõem ao sol ou fazem isso fora do horário da radiação adequada para a produção do composto provavelmente estão deficientes da substância.
Estima-se que 80% da população urbana esteja nessa situação.
Os níveis estariam diminuindo pela ocorrência do uso de protetor solar e pelo aumento do número de horas que as pessoas permanecem em ambientes fechados.

A dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia Gladys Martins conta que o assunto é controverso entre a comunidade médica, mas em uma coisa eles concordam: a exposição solar indicada, por mais surpreendente que pareça, é no horário disseminado como o pior para a saúde, entre 10h e 16h.
Nesse período, a radiação solar atinge a energia dos raios UVB capaz de estimular a metabolização de vitamina D pelo organismo.
Nos outros horários, os raios UVA são mais fortes.
“Essa exposição para a produção é bem curta.
Um estudo realizado em São Paulo durante três anos mostrou que basta a exposição apenas das mãos e da face por 10 minutos diários, mesmo nos dias nublados”, diz Martins.
O efeito também pode ser obtido com a exposição considerada não intencional, ou seja, quando pessoa se movimenta ao ar livre.
Martins lembra que idosos têm uma queda natural da produção do composto e que o período de exposição deve ser um pouco mais extenso, algo como 15 minutos três vezes na semana.
(BS).

Artigos Relacionados

Saúde Próspera