Síndrome da cauda equina: entenda o que é isso

Incontinência urinária e fecal e sentimento de anestesia na área interna das coxas são os primeiros sintomas da doença.

A coluna vertebral é uma das partes do corpo mais importantes. Recheada de nervos que saem direto do cérebro, é por ela que passam as ordens para que os movimentos sejam feitos e para que se sinta dor, prazer, frio, calor. É por isso que qualquer lesão pode levar a problemas neurológicos bem mais sérios do que um osso quebrado.
A área da coluna responsável pelos membros inferiores e órgãos da região pélvica é chamada de cauda equina.
“É um conjunto de raízes nervosas que, a olho nu, se assemelha ao rabo de um cavalo”, explica a neurologista e fisiatra Cláudia Barata.

Quando há uma compressão dos nervos da região, acontece a chamada síndrome da cauda equina. Ao sentir os primeiros sintomas, que incluem incontinência urinária e fecal e sentimento de anestesia na área interna das coxas, o ideal é que o paciente se dirija o mais rápido possível ao hospital.
Sem tratamento, o quadro pode evoluir para danos neurológicos parciais ou até completos, com baixa possibilidade de recuperação do paciente.

O diagnóstico da síndrome é feito com exame clínico associado a ressonância magnética, que mostra onde está acontecendo e o que é responsável pela compressão. “Outros exames usados nesse caso são a eletroneuromiografia, o exame do liquor (o líquido da coluna que revela se há infecção) e até a biópsia retal pode ser necessária”, explica Cláudia.
O diagnóstico diferencial é importante, uma vez que os sintomas podem ser confundidos com os de uma lesão medular ou de cone, ou com alguns tipos mais raros de neuropatias.

Veja também:   Estresse é um vilão sorrateiro; fique atento aos sinais

O mais importante é descomprimir o nervo. O tratamento depende muito de qual é a razão da compressão. Infecções, por exemplo, podem ser tratadas com medicamentos; já tumores inoperáveis exigem radioterapia de urgência para diminuir seu tamanho. Na maioria dos casos, o tratamento é cirúrgico.
A recuperação depende do nível de comprometimento do nervo, que pode apresentar desde sequelas leves a danos permanentes.

Se os pacientes com síndrome da cauda equina não recebem tratamento rápido para aliviar a pressão, pode resultar em paralisia permanente, bexiga neurogênica ou diminuição do controle intestinal, além de perda da sensação sexual.. Mesmo com tratamento imediato, alguns pacientes podem não recuperar as funções completamente.

Causas

A Síndrome da cauda equina pode ser causada por uma hérnia discal, tumor, infecção, fratura, ou estreitamento do canal espinhal. Também pode acontecer por causa de um impacto violento, como num acidente de carro, uma queda de altura significativa, ou um ferimento penetrante, como por uma arma de fogo ou lesão por arma branca.
As crianças podem nascer com anomalias que causam síndrome da cauda equina.

Sintomas

Embora o tratamento precoce seja necessário para evitar problemas permanentes, a síndrome da cauda equina pode ser difícil de diagnosticar. Os sintomas variam em intensidade e podem evoluir lentamente ao longo do tempo.

Consulte o seu médico ortopedista imediatamente se os seguintes sintomas surgirem: 

  • Disfunção na Bexiga ou intestino, retenção ou incapacidade de reter as fezes e a urina.
  • Problemas graves ou progressivos nos membros inferiores, incluindo perda ou alteração da sensibilidade nas pernas, sobre as nádegas, a parte interna das coxas e nádegas (área onde o cavaleiro senta na sela), pés ou calcanhares.
  • Dor, dormência ou fraqueza que se estende para uma ou ambas as pernas que podem fazer com que você tropece ou ter dificuldade em se levantar de uma cadeira.
Veja também:   Revolução: novos remédios chegam ao Brasil com a promessa de aliviar a esclerose múltipla

.

Diagnóstico por Imagem: Radiografias, ressonância magnética, tomografia computadorizada podem ajudar a avaliar o problema.

Tratamento

O paciente com síndrome da lauda equina pode precisar de cirurgia de urgência para remover o material que está pressionando os nervos. A cirurgia pode evitar que a pressão sobre os nervos chegue ao ponto em que o dano é irreversível.

Vivendo com síndrome de cauda equina

A cirurgia não irá reparar danos permanentes do nervo. Se isso ocorrer como resultado de síndrome da cauda equina, o paciente pode aprender como melhorar sua qualidade de vida.

Algumas sugestões:

  • Além de pessoal médico, você pode querer obter ajuda de um terapeuta ocupacional, fisioterapeuta, assistente social, especialista em continência urinária ou terapeuta sexual.
  • Envolva sua família em seus cuidados.
  • Para saber tudo que puder sobre o controle da doença, você pode associar-se a um grupo de apoio a pacientes com síndrome da cauda equina.

Bexiga e função intestinal

Alguns funções da bexiga e da função intestinal são automáticos, mas as partes sob o controle voluntário podem ser perdidos após a síndrome da cauda equina. Isto significa que o paciente pode não saber quando irá precisar urinar ou defecar, e pode não ser capaz de eliminar fezes normalmente.

Algumas recomendações gerais para a gestão da bexiga e disfunção intestinal:

  • Esvaziar completamente a bexiga com um cateter de 3 a 4 vezes por dia. Beba muito líquido e práticas de higiene pessoal regular para prevenir a infecção do trato urinário.
  • Verificar a presença de fezes no reto regularmente e limpar os intestinos com as mãos enluvadas.
    Você pode querer usar supositórios de glicerina ou enemas para ajudar a esvaziar o intestino.
    Use almofadas de proteção e calças para evitar vazamentos.
Veja também:   Apendicite: tudo o que você queria saber

.

Artigos Relacionados